Home | Samba School | Unidos de Bangu

Unidos de Bangu

Império serrano Samba School flag

"Do Ventre da Terra, Raízes para o Mundo"


 2020 Themed Samba

Authors: Samir Trindade, André Kaballa, Marcio de Deus, Wellington Amaro, Paulinho ferreira, Henrique Costa, Fabio Fonseca, Fabio Martins, Neizinho do Cavaco, Julio Assis, Marlon P. e Vinícios Sombra.

Singer: Tem-Tem Jr e Luís Oliveira 

Samba Lyricsa

Estende o tapete da história
Pro amor mais antigo, meu pavilhão
Prepare o banquete da glória
Vem da zona Oeste, essa devoção
Os Deuses vem coroar
Deus Sol iluminar
Do alto nascia, a força da vida
Por todos os cantos se espalharia
Pacha Mama é mãe
Do seu ventre um novo dia

Ouro do chão, terra molhada 
Na sagrada fé, renegada
Matou fome da pobreza, foi a cura do mal
Nos salões da realeza, o prato principal

Parmentier , brilhou em Versalhes
De rainhas e reis, navegou outros mares
Tesouro à moda francesa
Chegou no Brasil “real”
A doçura do índio, antes de Cabral
Mãos plantaram um lindo matiz
As mãos que erguem meu pais
Da simplicidade, do cheiro de mato
Na ponta da enxada o nosso retrato
Lá vem meu celeiro
Semeia Bangu pro mundo inteiro

Vamos plantar a paz
Chegou minha raiz, o caldeirão vermelho 
Cresceu e não se desfaz
Alimenta esse povo guerreiro

2020 Parade




2020 Themed Samba

  • Carnival Commission: CAlex Oliveira e Edson Pereira
  • Carnival DirectorJefferson Carlos
  • Harmony DirectorSandro Avelar
  • SingerTem-Tem Jr e Luís Oliveira
  • Drums DirectorMestre Léo Capoeira
  • Drummers' Queen: Lexa
  • EscortAnderson Abreu
  • Flag-BearerEliza Xavier
  • Vanguard CommissionLuiz Carlos e Natasha Lima
  • 2020 Parade:  1° a desfilar na sábado (02/03/2019)
  • às 22h


"Do Ventre da Terra, Raízes para o Mundo"

Abstract

Esse enredo poderia começar aqui mesmo no Brasil.
Porém, ele vem de longe, e os ventos da história nos levam a voltar no tempo para desvendar os segredos das
tribos africanas que foram escravizadas e trazidas para as terras brasileiras.
Porque tudo tem começo, início, gênese. E é o sangue que corre quente dentro de nós, que alimenta o fogo ancestral que faz esse começo. E para isso se faz necessário irmos ao encontro dos fundamentos dos reinos milenares do continente negro, expresso nas coroações dos reis congos e na essência da africanidade da cultura negra do nosso país.
Não somos descendentes de escravos. Somos descendentes de civilizações africanas, de reinados fortes e poderosos. Somos descendentes de reis e rainhas, príncipes e princesas.
Somos herdeiros do Alafin de Oyó. Em nossas veias corre o sangue da rainha Ginga de Matamba.
Somos frutos de um povo que conhece as folhas e que sabe como despertar o poder delas, somos filhos da natureza, somos filhos da água, terra, fogo e ar; nosso povo sabe estar no Aiyê, a terra, sem perder a essência do Orum, o céu.
É que muito, muito antes da chegada do branco escravocrata, nós formávamos um reino mágico e sagrado dividido em clãs que, em sua maioria, recebiam nomes ligados a animais e elementos da natureza: clã do camaleão, clã do leão, clã do crocodilo e até clãs das aves e peixes.
Porque a África sempre foi muitas dentro de uma só, até ser retalhada pela escravidão e misturada de qualquer jeito em continentes distantes, depois das grandes águas, depois da travessia da calunga grande.
Trabalhando principalmente na mineração, nas plantações de café e cana-de- açúcar e nos engenhos, essa mão de obra escrava se espalhou por todos os cantos do Brasil colonial resultando em uma grande presença de homens e mulheres negras em nosso território, semeando as marcas definitivas da cultura africana onde se fixaram. Porém, apesar de terem lhes tirado a liberdade, não tinham lhes tirado tudo; eles tinham suas memórias, sabiam quem eram e de onde vinham. Tinham orgulho de suas origens, muitas vezes nobres, de seus deuses, de seus ancestrais.

  • 2017                            Série B Champion
  • 2014                            Série BChampion
  • 2013                                Vice-Champion
  • 1962Champion

Data

  • Foundation: 15 de novembro de 1937
  • Colors: Vermelho e Branco
  • PresidentThiago Oliveira
  • HonorarySandro Avelar
  • Samba Hall: Rua Santa Cecília, 570 
  • Rehearsals: Rua Santa Cecília, 570 (Quadra da Escola)
  • Barracks: Endereço N/D
  • Website: www.unidosdebangu.com.br
  • Press:-

Unidos de Bangu's history

A Unidos de Bangu foi fundada em 15 de novembro de 1937. É a madrinha do G.R.E.S. Acadêmicos de Santa Cruz. Já participou do Grupo 1 (atual Especial) entre 1958 e 1960 e em 1963.
A agremiação, a exemplo do Casino Bangu e o Bangu Atlético Clube, nasceu de um grupo de operários da hoje extinta Fábrica Bangu. As primeiras cores oficiais da escola foram o azul e o branco. As cores vermelho e branco somente foram adotadas em 1966, em homenagem, após o segundo título do campeonato carioca conquistado pelo Bangu Atlético Clube. Foi a primeira escola de samba a ter uma quadra coberta no Brasil. 
Nos anos 80 a Unidos de Bangu esteve bem próximo de realizar o grande feito de retornar ao grupo das grandes escolas, tendo como figura marcante seu presidente Wanderley Portugal e o intérprete Sobrinho. Desfilou de 1980 a 1985 no Grupo I-B, atual Série A.

;