Home | Samba School | Paraiso do Tuiuti

Paraíso do Tuiuti

Paraíso do Tuiuti Samba School flag

"The Saint And The King: Enchants of Sebastian"

2020 Themed Samba

Authors: Anibal / Cláudio Russo / Jurandir / Moacyr Luz / Zezé  
Singer: Celsinho Mody Grazzi Brasil

Samba lyrics

Todo 20 de janeiro Nos altares e terreiros
Pelos campos de batalha
Uma vela pro divino
O imperador menino
Um sebastião não falha
Nas marés, o Desejado
Infiéis pra todo lado
Enfrentou a lua cheia

No deserto, um grão de areia
Dom Sebastião vagueia                   (bis)
Sem futuro, nem passado

Renasce sob nós, um caboclo encantado
Na praia dos lençois, é o touro coroado
Vestiu bumba-meu-boi
Até mudou o fado
No couro do tambor foi batizado

Poeira, ê! Poeira!
Pedra Bonita pôs o santo no altar                              (bis)
Sangrou a terra, onde a paz chorou a guerra
Mas ele vai voltar!

Rio, do peito flechado Dos apaixonados
Rio-Batuqueiro
Oxóssi, orixá das coisas belas
Guardião dessa aquarela
Salve o Rio de Janeiro
Orfeus tocam liras na favela
A cidade das mazelas
Pede ao santo proteção
Grito o teu nome no cruzeiro
Oh, padroeiro! Toda a minha devoção!

No morro do Tuiuti, no alto do terreirão
No morro do Tuiuti, no alto do terreirão               (bis)
O cortejo vai subir, pra saudar Sebastião!
O cortejo vai subir, pra saudar Sebastião!



2020 Parade




2020 Themed Samba

  • Carnival Commission: Jack Vasconcelos
  • Carnival Director: André Gonçalves Rodrigo Soares Júnior Cabeça
  • Harmony Director: N/D
  • Singer: Celsinho Mody Grazzi Brasil 
  • Drums Director: Ricardinho
  • Drummers' Queen: Carol Marins
  • Escort: Marlon Flores
  • Flag-Bearer:  Danielle Nascimento
  • Vanguard Commission: Patrick Carvalho
  • 2020 Parade
  • Parading Position: 5º a desfilar na segunda (04/03/2019) / 01:35- 03:28

"The Saint And The King: Enchants of Sebastian"

Abstract

“Oh my king of fantastic memory
I spend my life praying your story.
So true and supernatural…
I pray your adventurous childhood
Your death in a tragic beach.
I pray your transcendent existence
On an island of mist in the rising sun,
Enchanted in the longest of Natura…
And I pray your coming announced,
Among the mists of that dawn
That will come to dispel the dark night ”

Sebastianist Prayer (Teixeira de Pascoaes)

I - THE VENERABLE HOLY AND THE DESIRED KING

May Sebastian come, THE DESIRED, so named because it is the hope of succession of the dynasty that guided the Lusitanian kingdom to its heyday.
May the divine king-boy of Portugal come, future ruler of the Christian World Empire!
MAJESTIC, WARRIOR, PUJA!
Let Sebastian come, adorned with FESTIVALS OF THE PEOPLE and Jubilee of the Gods. Let all the prophecies be fulfilled, the books of the blessed be opened.
THE KING WAS BORN! THE KING WAS BORN!
On the mystical date of January 20, Sebastian was enchanted by the spirit of courage and faith of the venerable Saint who gave him his name.
Thus the arrows of good and bad omen on DOM SEBASTIAN were drawn.
The young King grew up listening to the stories of bravery and martyrdom in the name of the reconquest of the Iberian Peninsula.
One day he led his army toward the last crusade.
Morocco was the destination. Beat the Moors, an obsession.

II - THE COVERED KING

In supplication, Sebastian the King begged protection for the patron.
Sebastian the Holy One gave him courage to go on: “Your glory will run far beyond your own life. It will spread to worlds and ages you never dreamed. ”
He was then anointed with the vestments bathed in the glories of the ancestors.
And so the uncertain campaign was mapped. It was time to leave with his squadron for ALCÁCER QUIBIR.
There was the bloody battle in the North African desert against the Sultan's army.
Fearless, Saint and King wielded the cross against the scimitar.
Face to face, troops raised the flag of Christ's order against the crescent moon and shining star flag.
Cavalry advanced in deadly conflict. Arms to heaven, the king launched himself to the ultimate glory.
On the sands of Morocco, Dom Sebastian disappeared…
And the fog came. With him, the hope that one day the King would return to relive the heyday of his people.
“He will come back! He will come back… ”

III - THE SUBMERSE KING

And the king made a home at sea…
He sailed in triumph aboard the mystical ship with the troop that, with its leader, vanished into the Moroccan sands.
It landed in the waters of Maranhão, in imposing rapturous procession.
He raised his domain on the Atlantic coast to take place at the court of the enchanted.
With fins embroidered with glittering scales, he ascended to the royal sea throne.
In the sumptuous CRYSTAL PALACE, her royal jewels were studded with pearls, shells and shells.
His marine paradise was surrounded by majestic enchanted beings that inhabited the ocean floor.
The legend of the sunken King flooded the imagination of the people who lived on the seashore.
In the search for the Overcast, it was the people who were enchanted in tidal fog…

IV - THE CHARMING KING

In the torrents of the holy waters, the legend about the King spread.
Between drumbeats coming from the mine yards it was said that on a full moon night, a BLACK BULL was walking along the beach. And that bull was Dom Sebastian.
A brave man who dared to stab a shining sword into the animal's forehead would undo the spell, fulfilling the prophecy:
“KING / IS KING DOM SEBASTIAN / WHO DISENGERLE LENÇÓIS / BOOT BELOW MARANHÃO”
But the undoing of the charm was itself another charm.
Thus, in belief, magic, and chanting, the King was crowned in the leather of the drum.
He danced with the gods, macerated the herbs and drank the secrets of the woods. He joined the Afro-Amerindian cults.
It became entangled in the soul of the popular singers and poets.
From her royal cloak, adorned with brilliance and dream, came the inspiration to weave the robes of my bumba-meu-boi.
Delighted, Dom Sebastian became the spirit the people wanted to lead him on new crusades…

V - THE KING OF THE AFFLICTED

In the sands of the northeastern backcountry, the Overcast King returned with the charm of a restorative monarch.
The people, torn in the battles of existence, expected nothing from men. He entrusted everything to a miracle of God.
In the search for the earthly paradise, the backlanders' belief carved the spirit of the King into a holy soul.
At Serra do Rodeador, in Pernambuco, the insurrection took place. But it was crushed by the relentless power of the Crown.
Years later, in the town of Pedra Bonita, in São José do Belmonte, Blessed João Antônio hid on the mountaintop with his entourage.
They believed that Dom Sebastião would resurface from the crevices of the stones to restore social justice always promised and never achieved.
But for that it was necessary to wash the rocks with blood to disenchant the King.
There was a new battle. Terror spread in the flagstone. He died not to kill.
The king did not come. He has risen in another camp.
In Canudos, Antony Counselor led his people who followed him on the borderline between faith and messianic delirium, evoking the return of the monarch.
“THE SERTÃO WILL BECOME SEA AND THERE WILL BE A GREAT RAIN OF STARS”
Straws, Beautiful Stone, Rodeador… everything succumbed. But not the glory of Saint-King Sebastian, who is reborn to the power of the charm of those who believe in him.

VI. THE HOLY PATRON AND THE PEOPLE RELEASED

With each episode of struggle and pain, it is certain that the Sebastianist spirit continues to guide the people in the eternal search for their own course.
It is said that the King lives dormant in the enchanted realms of San Sebastian, earth emerged by arrow and fire.
The very heroic city founded during the reign of Sebastian the Wanted.
On the mystical date of January 20, the noble Estácio de Sá was shot in battle with the Indians.
Legend has it that St. Sebastian fought by his side.
The brave Lusitanian warrior was enchanted with his city, which one day broke. And today it shredded…
Wounded corner that needs to regenerate.
But one day the true King will come.
Who from the mists of memory rises and rises
MAJESTIC, WARRIOR, PUJA!
It's the PEOPLE, lord of themselves, finally disenchanted
That in the bravery of the King himself awakened,
Pluck the arrows from the patron's chest
And Sebastian, finally, will restore what is due to him:
The King's throne and the Holy altar.
And peace will finally triumph
In the city tired of so many battles…
But never the fight!
(He will come. He will come…)

Carnival Designer: João Vitor Araújo
Text: João Gustavo Melo

Inspired by the poem “The King Who Lives in the Sea” by Ferreira Gullar and the charms and brasilities of Luiz Antônio Simas.

  • 2016Champion
  • 2011Champion
  • 1997Champion
  • 1987Champion

Data

  • Foundation: 05/04/1952
  • Colors: Amarelo ouro e azul pavão
  • President: Renato Thor
  • Honorary: Renato Thor
  • Samba Hall: Campo de São Cristóvão, 33 - São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ CEP 20921-440
  • Rehearsals: ?????????
  • Barracks: Cidade do Samba (Barracão nº 03) - Rua Rivadávia Correa, nº 60 - Gamboa - CEP: 20.220-290
  • Website: http://gresparaisodotuiuti.com.br/
  • Press: ?????????

Paraíso do Tuiuti's history

A atuação da Paraíso, de início, foi discreta, mas em 1968, com o enredo de Júlio Matos homenageando o bairro de São Cristóvão, tira o primeiro lugar no Grupo 3 e vai para o Grupo 2. No ano seguinte consegue o terceiro lugar no Grupo 2, com um ponto atrás da Unidos do Jacarezinho, vice-campeã.


De fato, até o início da década de 1980 quase ninguém ouviu falar da escola, mas a partir de então, a escola viveu um momento de grande euforia, graças ao empenho da carnavalesca Maria Augusta Rodrigues, que deu o título do Grupo A para a escola que não tinha patrono, fenômeno típico das grandes escolas, que conferem fama e prestígio a quem delas se aproxima. A Paraíso do Tuiuti não pôde contar senão com a pequena subvenção oficial para fazer frente aos altos gastos que o Carnaval, com as características que tomou nos nossos dias, exige.


No final da década dos anos 1990, a escola não cessou de crescer e fortalecer-se, até que, convidada a participar do Grupo A em 2000, apresentou o enredo sobre Dom Pedro II e se sagrou vice-campeã, no desempate com a escola Em Cima da Hora, adquirindo o direito de desfilar em 2001 no Grupo Especial.


No Grupo Especial, a escola contou a história de um mouro que saiu da Espanha, em direção à Meca e acabou no Brasil, guerreando no Quilombo dos Palmares. Considerada como zebra do grupo de acesso A em 2000, a escola a adotou como mascote, e as trouxe no África Livre. A escola teve muitos problemas com seus carros alegóricos.


Em 2002, de volta ao Grupo de Acesso, a Tuiuti encerrou o desfile com o dia amanhecendo, numa trégua da chuva e poucas pessoas nas arquibancadas. O enredo era uma homenagem ao carnavalesco Arlindo Rodrigues, célebre por antigos carnavais no Salgueiro e Imperatriz.


Em 2003, a Tuiuti se destacou no grupo de acesso. Com o enredo em homenagem ao centenário do pintor Cândido Portinari, apresentou um criativo desfile desenvolvido pelo carnavalesco Paulo Barros. A comissão de frente entrou com saias de pincéis giratórios, vestida de paleta de tinta em uma aquarela. No abre-alas,a grande coroa, símbolo da escola, feita com 7 500 latas de tinta, inclusive com tampas revestindo o piso, gerando um belo efeito visual. O carro com esculturas de negros carregando sacos de café, sem figuras vivas e com canhões de luz de baixo para cima, também causava impacto, assim como a alegoria que trazia espantalhos de campos de milho que coreografavam para assustar os corvos. Apesar do terceiro lugar, o desfile foi tão surpreendente que a Unidos da Tijuca convidou Paulo Barros para desenvolver o enredo da escola do Borel em 2004 no Grupo Especial, escrevendo nova história do carnaval carioca.


Em 2004, mais uma vez fechando os desfiles do grupo de acesso, a Tuiuti reverenciou poeta Vinícius de Moraes, desenvolvido pelo carnavalesco Jaime Cezário, mas não se destacou. No ano seguinte fez mais uma homenagem, desta vez ao jornalista Ricardo Cravo Albim, mas acabou rebaixada pro Grupo de Acesso B.


Nos anos seguintes, tentou subir de grupo, mas somente em 2008, com um enredo falando sobre o sambista Cartola, conseguiu o vice-campeonato e novamente retornou para o Grupo de acesso A em 2009.


Em 2009, o Tuiuti trouxe roletas, dados e cartas cheios de cores e brilhos para reviver a época de luxo e riqueza que marcou o imponente Cassino da Urca.


Para o carnaval 2010, a escola trouxe como enredo o mesmo enredo de 1990, uma homenagem a escritora Eneida de Moraes. No entanto, não foi uma reedição, mas sim uma releitura, onde foram acrescentadas novas ideias, como uma menção ao Carnaval virtual. A escola acabou, em 2010, na 12ª posição sendo rebaixada para o ano de 2011 ao Grupo B, juntamente com a Unidos de Padre Miguel. Após o rebaixamento a escola precisou deixar sua quadra, devido a uma liminar imposta pelo DER-RJ.


Na sua volta ao Grupo B, a escola de São Cristóvão trouxe como enredo O Mais Doce Bárbaro - Caetano Veloso sobre o cantor Caetano Veloso, do carnavalesco Eduardo Gonçalves. Fez um desfile candidato a ganhar, inclusive com o homenageado desfilando. Daniel Silva foi o intérprete e Gracyanne, rainha de bateria.[14] Última escola a desfilar na terça-feira, na Sapucaí, com esse desfile, obteve o título do Grupo de acesso B.[15]


Para 2012, a escola contratou o carnavalesco Jack Vasconcelos, que estava na Viradouro, e o Mestre Celinho (ex-Unidos da Tijuca), que estava afastado do carnaval há alguns anos. Intitulado "A tal mineira", o enredo seria sobre Clara Nunes.[16] Terminou na última colocação, mas, devido a uma manobra que cassou os direitos da LESGA, permaneceu no grupo de acesso A. Em 2013, seguiu na mesma linha de homenagens, desta vez ao humorista Chico Anysio.[17]


Em agosto de 2013, Renato Thor, abdicou de ser presidente da agremiação, para se dedicar à vice-presidência da LIERJ, deixando em seu lugar seu pai, Jorge Honorato.[18] Este trouxe o experiente carnavalesco Severo Luzardo, para reeditar o clássico samba-enredo Kizomba - A festa da Raça, com o qual a Vila Isabel sagrou-se campeã do Grupo Especial em 1988.[19][20] A poucos meses do desfile, a escola chegou a cogitar dispensar Claudinho Tuiuti do comando da bateria,[21] o que acabou não ocorrendo. Bastante elogiada em seu desfile, a escola se manteve no mesmo grupo para o ano seguinte.


Em 2015 a escola apostou no retorno de Jack Vasconcelos, como carnavalesco, que surpreendeu com um enredo de temática indígena, "Curumim chama Cunhantã que eu vou contar...", que foi baseado em um livro do escritor Hans Staden. Com um desfile surpreendente, tendo como destaque a sua comissão de frente, a escola acabou ficando com a 5º colocação.


Para 2016, a escola manteve Jack Vasconcellos, apesar deste também assinar o carnaval da União da Ilha. Daniel Silva continuou a frente do carro de som da escola e, a princípio, faria dupla com Ciganerey (que chegou a gravar o CD da Série A) porém, este foi chamado para assumir o microfone principal da Mangueira devido ao falecimento do interprete Luizito. Porém, Daniel ganhou a companhia de Leandro Santos, que havia saído da Estácio de Sá. A bateria, continuou o premiado Mestre Ricardinho, visando trazer os 120 pontos para a escola no quesito, já que em 2014 e 2015 a bateria Super Som garantiu a nota máxima (40 pontos) para a agremiação. Com o enredo "A Farra do Boi" a escola fez um desfile empolgante e conquistou a Série A perdendo apenas 0,1 dos 270 pontos possíveis, garantindo assim seu retorno ao Grupo Especial depois de 15 anos.


Para o carnaval de 2017, a escola se reforçou com o experiente casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira Marquinhos e Giovanna, vindos da Viradouro e com o intérprete Wantuir, vindo da Portela. A princípio, Wantuir faria dupla com Daniel Silva, mas este deixou a escola. O enredo foi "Carnavaleidoscópio Tropifágico" sobre os 50 anos do movimento Tropicália. A escola fez uma apresentação bonita, mas sem muito destaque. Na apuração, terminou em décimo segundo lugar, mas por conta dos inúmeros acidentes ocorridos nos dois dias de desfile das Escolas de Samba (um deles envolvendo a própria Tuiuti, com a última alegoria prensando algumas pessoas na grade do Setor 1, ferindo cerca de vinte - entre os feridos, a radialista Liza Carioca, que falecera dois meses depois) a LIESA decidiu vetar o rebaixamento para a Série A no ano de 2017. Sendo assim, a Paraíso do Tuiuti permanece no Grupo Especial para o carnaval de 2018, fazendo sua melhor participação na elite do samba carioca - dois anos consecutivos.


Para o carnaval de 2018 o enredo da escola será sobre os 130 anos da Lei Áurea cujo título será "Meu Deus! Meu Deus! Está extinta a escravidão?". Diferente dos anos anteriores, a Tuiuti optou por encomendar seu samba-enredo à compositores da escola, e contará com o reforço do intérprete Nino do Milênio (ex-Inocentes de Belford Roxo) e do casal de mestre-sala e porta-bandeira Marlon Flores e Danielle Nascimento.


Segmentos

;