Vila Isabel - Rio Samba School Song Português

Vila Isabel Samba School flag

Listen here to the samba song of the Rio Samba School Vila Isabel. Just click on the music player on the side.


Vila Isabel Samba School

DETAILS

Established in: 04/04/1946

Flag Colours: Blue and White

President: Wilson Alves

Address: Boulevard Vinte e Oito de Setembro, nº 382 - Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ - CEP 20551-031
Phone: (21) 2578-0077

Reharsals: On Saturdays, from 22h

Head Quarter: Samba City (Quarter nº 05) - Rua Rivadávia Correa, nº 60 - Gamboa
CEP: 20.220-290
Phone: (21) 2283-1744

Web site:www.gresunidosdevilaisabel.com.br

Press:
Natália Louise
nataliaelloo@gmail.com
Phones:
(21) 8195-7598 / (21) 3073-5203


Vila Isabel 2016

2016 parading time

Parading Theme:
"A Vila canta o Brasil, celeiro do mundo - "Água no feijão que chegou mais um"

Carnival Designer (Carnavalesca):
Rosa Magalhães

Harmony Manager: Décio Bastos

Vocalist: Tinga

Drummer`s Regents: Paulinho e Wallan

Drummer`s Queen: Sabrina Sato

Flag Carring Couple:
Julinho & Rute

Vanguard Group:
Marcelo Misailidis


Vila Isabel is very old school with lots of history and tradition. However it almost went into oblivion not a long time ago.

It lingered in the Second League for a long time until a few years ago when it re-joined the First League (Special Group) in 1995 with an astonishing win. After that, in 1996, it hired one of the most energetic, up-and-coming carnival designers and has scored very high again in the last couple of years.

It is currently ranked the third best among all Rio samba schools.

We also recommend the school's popular and easily accessible samba hall.

Vila Isabel Samba School Rio Carnival

Vila Isabel

Theme: "O maestro brasileiro na terra de Noel...
Tem partitura azul e branca da nossa Vila Isabel"

Composers: Carlinhos Petisco, Serginho 20, Machadinho, Paulinho Valença e Henrique Hoffman, Victor Alves, P

Vocalist: Gilson da Conceição (Gilsinho)

Samba Enredo

 

O envolvimento suave da batuta

com a poesia do povo de Noel

em sintonia o mestre

e seus movimentos

e o samba de Vila Isabel

tá na sua regência

a doce magia e a inspiração

pra gente tocar feliz

o clássico na mais pura raiz

mais cordas, metais

a valorizar as notas musicais

traz o sopro de paz

eu quero curtir o guarani

na arte retratos da vida

o amor de Ceci e Peri

viver é amar e sonhar

no som do "Menino Brasil"

o "canto do uirapuru"

Villa Lobos a emocionar

Seguem no compasso a swingueira,

orquestra brasileira, o balé

bailam passistas, porta bandeira,

e a bailarina na ponta do pé

solto então a voz na canção

que emociona a todos nós

 

Dignidade de volta pro ninho

Isaac e Martinho dão o tom

 

No ar a mais bela sinfonia

é de arrepiar

comunidade unida a cantar

renasce num sonho lindo,

a Vila de novo sorrindo

e a música vem brindar


2016 Parading Theme

"O maestro brasileiro na terra de Noel...
Tem partitura azul e branca da nossa Vila Isabel"

Apresentação

Preparem-se para um grande concerto!

O maestro sobe ao púlpito, exercendo uma função primordial como "elemento de ligação das ideias do compositor aos instrumentistas e/ou cantores", e, suavemente, ergue a batuta ao ato sublime que transcende a essa dualidade e se lança aos encantos da regência sinfônica, inscrita "dentro de parâmetros do imponderável, da mítica, da aura que acompanha o artista e determina a sua sonoridade".

Sua regência é mais que um gesto, ruma-nos à poesia dos sons, traduz das partituras a emoção da formação de um povo, a genialidade espontânea da criação, a musicalidade orquestrada à inspiração de significativas apresentações que provêm do canto e do balé. Numa relação humana onde o elemento principal é a música, o maestro Isaac Karabtchevsky transforma a Sapucaí num palco e rege o enredo do meu samba: "O Maestro brasileiro na terra de Noel... Tem partitura azul e branca da nossa Vila Isabel".

Em tons graves, agudos, altos ou baixos...as notas musicais saltam dos instrumentos. Afinam-se cordas, metais, sopros, percussão... Os efeitos sonoros vão criando uma incrível e mágica sonoplastia... E de uma forma livre e espontânea, o prelúdio se inicia.

Tudo pronto. Ouvimos o terceiro sinal. Deixem-se contagiar pelos sentidos da música. Peguem seus libretos, o espetáculo vai começar!

Na forja do destino, um momento divino: "Faunos" entoam seus sons cristalinos.

Envolvidos pela poesia, a saudade aperta em nosso peito. Em tempo de inspiração, os "retratos da vida" são o cocar da cultura do nosso Brasil. De um índio, bravo nativo, chamado Guarani – que se veste de paixão e luta para conquistar seu grande amor.

Viajamos pelo canto do "Uirapuru" e descobrimos cada pedacinho desse chão. Do "Concerto da Floresta" ao sertão brasileiro, seguimos pelos trilhos do "bachiano menino" a todo o vapor. Pulsantes sejam o "canto da alma caipira" e o "canto da nossa terra", aventuras de meninos moleques e de seus coloridos papagaios, a matriz da genuína cultura brasileira!

"Corremos pelas partituras de mãos dadas com notas musicais" ao requinte de sinfonias clássicas, barrocas e românticas. Suítes, sonatas, concertos...embalam, musicalmente, as "Quatro Estações" dos fenômenos da Natureza; enredam-se pelo amor shakespeariano de "Romeu e Julieta", pelas aventuras de "Fígaro", o astuto criado da velha Sevilha, e protagonizam um conjunto de revelações e disfarces num festivo e simbólico "Baile de Máscaras". Seus sons, ainda entrelaçam-se às nuances, aos detalhes, às "cores" que a voz consegue, sem possibilidade de confronto, reproduzir, navegando por entre mares de compassos, declamações líricas à ousadia do capitão, o que carrega uma maldição por desafiar "Satanás" a bordo de um "O Navio Fantasma".

Um momento esplêndido: o maestro reduz seu gesto à proporção justa. Expressa o máximo com o mínimo...respira com a orquestra! Um espetáculo à parte. Allegro, avante... Seu realismo fantástico cruza as fronteiras da criação com a regência da Nona Sinfonia de Beethoven!

Entre românticos arcos de flores, a "Sagração da Primavera"! Linda é a bailarina, princesa, camponesa que, ao som da sinfonia, reflete o brilho de raro esplendor do "Lago dos Cisnes". Não há quem não se emocione com a majestosa e exuberante coreografia, aventurando-se, sob muitas formas, diante do "fogo sagrado" de "La Bayadère". Nem com "Balé de Bolshoi", com o "Quebra Nozes" e com tantos outros... É girando na ponta dos pés que a orquestra revela a emoção da "arte dos passos".

Nossos olhos, sem mais prova, atestam, deslumbrados, um magnífico espetáculo. Diante do que se vê, sopranos e tenores entoam da arte teatral: a ópera, voz encenada em drama musical. Castelos, histórias de amor, contos e fábulas...faces do imaginário, um tom magistral de sonhos em sintonia com a vida.

Ó magia! Sob a partitura azul e branca, tudo soa, recebendo, em si, o sopro que do Brasil ecoa. Vem, meu "povo do samba", desfrutar dessa música boa, de um "Aquarius Concerto", ao solo de um pandeiro e renascer das cinzas nos versos de um "senhor partideiro": Martinho da Vila. Vem com a Vila Isabel, com seu reduto de bambas que "não quer abafar ninguém", "só quer mostrar que faz samba também.

Carnavalesco: Max Lopes

 


Vila Isabel`s history

O futebol está ligado à fundação da Unidos de Vila Isabel, pois existia no bairro, em 1945, um bloco conhecido como Vermelho e Branco. O afastamento de alguns componentes resultou na criação de um time de futebol com as cores azul e branco, posteriormente transformado em um novo bloco carnavalesco. Antônio Fernandes da Silveira, o "China", registrou a sociedade na União Geral das Escolas de Samba, fundando, assim, no dia 4 de abril de 1946, a escola.
A casa de "China", primeiro presidente da escola, serviu até 1958 como sede administrativa da agremiação. Os ensaios eram realizados no Campo do Andaraí. O primeiro enredo da Vila, De Escrava a Rainha, contou com apenas 100 componentes desfilando na Praça Onze: 27 ritmistas, 13 baianas e mais 50 pessoas. Paulo Brazão, um dos fundadores da escola, foi um dos maiores ganhadores de samba-enredo da Vila Isabel, em 1960, a escola ficou em primeiro lugar no Grupo 3, com o enredo Poeta dos Escravos.
Uma das figuras mais conhecidas da escola é, sem dúvida, Martinho da Vila. Sua entrada na agremiação aconteceu em 1965: ele fazia parte da Escola de Samba Aprendizes da Boca do Mato e já estava partindo para o Império Serrano, quando surgiu o convite para integrar a ala de compositores da Vila Isabel. Na nova escola, Martinho reestruturou a forma de compor samba-enredos, com a introdução de letras e melodias mais suaves, emplacando 4 sambas consecutivamente. No carnaval de 1967, Martinho da Vila compôs Carnaval de Ilusões, em 1968 Quatro Séculos de Modas e Costumes, em 1969, Iaiá do Cais Dourado e em 1970, Glórias Gaúchas.
Em 1979, a Vila saiu vitoriosa do Grupo 1B, com um enredo feito por Yêdda Pinheiro, falando sobre Os dourados anos de Carlos Machado. Foi a primeira vez que uma escola homenageou um vulto da cultura ainda vivo. Hoje é lugar comum, mas esta foi a primeira vez em que isto foi feito.
No grupo especial, a Vila Isabel conquistou apenas seu primeiro campeonato, em 1988,desfile do samba-enredo Kizomba, a festa da raça. O desfile marcou a passarela do samba, por abusar de materiais alternativos, como a palha e sisal, e pela garra dos componentes da escola. Para muitos que conhecem bem os desfiles de escolas, este talvez tenha sido o melhor desfile de que se há notícia. Infelizmente, devido a um grave temporal, que deixou a cidade do Rio de Janeiro em estado de calamidade pública, o Desfile das Campeãs não foi realizado.
Após a vitória de 1988, a escola ainda conseguiu uma boa colocação com Direito é Direito, em 1989 (4º lugar), nesse ano, foi marcante a comissão de frente formada por mulheres grávidas. Mas na década de 1990, a escola alternou entre a 7ª e a 12ª colocação. Em 2000, no entanto, a Vila Isabel ficou na 13ª colocação, descendo para o Grupo de Acesso A. Em 2002, com um enredo sobre Nilton Santos a Vila deixou de subir ao Grupo Especial por engano de um julgador, que trocou a nota 10 que seria dada à Vila por uma nota menor, que seria dada à União da Ilha. Com isso, a Acadêmicos de Santa Cruz, sagrou-se campeã.
Em 2004, com um enredo sobre a cidade de Paraty, a Vila retorna ao especial, sagrando-se campeã do Grupo de Acesso . Em 2005 tendo Joãosinho Trinta à frente, que vítima de um derrame cerebral não pode continuar os trabalhos a Vila trouxe um enredo sobre navios que lhe deu a 10ª colocação.
Em 2006, a Vila Isabel levou para a avenida o enredo "Soy loco por ti América - A vila canta a latinidade", do carnavalesco Alexandre Louzada6 e conseguiu seu segundo título, depois de muito sofrimento na apuração. Com um contagiante refrão, o samba-enredo da Vila Isabel foi um dos que mais fizeram as arquibancadas cantarem e, curiosamente, foi o que determinou o título . A empresa PDVSA, estatal petrolífera da Venezuela, financiou o carnaval da Vila Isabel com uma doação de R$ 900 mil. Entretanto, segundo reportagem do "Jornal do Brasil" de 3 de março de 2006, autoridades venezuelanas estão investigando o patrocínio e seu verdadeiro valor, pois há versões de que o montante ficou entre US$ 450 mil e US$ 2 milhões. O matutino venezuelano Reporte noticiou em sua capa que mais de 500 pessoas viajaram ao Rio de Janeiro com todas as despesas pagas pela PDVSA para animar o desfile da Vila Isabel. Em 2007, com enredo falando sobre as Metamorfoses8 , de Cid Carvalho, que estreava carreira-solo, terminando na 6ª posição.
No carnaval de 2008, falando sobre os Trabalhadores do Brasil, a Vila vem com um desfile rico e visualmente perfeito. No entanto, um erro de manobra do 8º último carro prejudica a escola de Noel, mas não tiraram o brilho da nova rainha de bateria (Natália Guimarães) que arrasou na avenida
No carnaval de 2009, a Vila falou sobre o centenário do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com o enredo "Neste Palco da Folia, Minha Vila Anuncia: Theatro Municipal, a Centenária Maravilha" , de autoria do carnavalesco Alex de Souza, que em parceria com o polêmico Paulo Barros , terminou na 4º colocação.
No carnaval de 2010, a Vila falou sobre o centenário de Noel Rosa, com o enredo "Noel: a presença do poeta da Vila" , do carnavalesco Alex de Souza. Para este carnaval, contou com um samba composto por Martinho da Vila, o que não acontecia desde 1993, além das estreias de Mestre Átila, como diretor de bateria e Gracyanne, como rainha . No entanto, a escola que lutava por mais um título, terminou na mesma colocação do ano anterior.
Meses após o carnaval, seu presidente na época, Wilson Vieira Alves (mais conhecido como "Moisés"), foi preso durante a Operação Alvará, após ser acusado de liderar a máfia ligada a exploração de caça-níqueis em Niterói e São Gonçalo . Com sua prisão, assumiu interinamente a direção da escola seu filho Wilsinho, que acumulava também o cargo de superintendente.
No Carnaval de 2011, a Vila fala sobre cabelo, desenvolvido pela carnavalesca Rosa Magalhães, alcançando apenas o quarto lugar. Nesse mesmo ano o presidente Wilsinho é eleito para comandar a agremiação.
No Carnaval de 2012, Vila Isabel foi a última escola a desfilar no primeiro dia, com o sol bastante claro na Sapucaí levou o enredo "Você Sembo Lá... Que Eu Sambo Cá - O Canto Livre de Angola" , sobre Angola num desfile que marcou a escola e fazendo ela ficar em terceiro lugar.
No Carnaval de 2013, a escola homenageou o agricultor com o enredo "A Vila canta o Brasil, celeiro do mundo - Água no feijão que chegou mais um". A Escola recebeu patrocínio de aproximadamente 10 milhões de reais da empresa alemã BASF, uma das maiores fabricantes de agrotóxicos do mundo. O desfile da Vila Isabel foi o último do segundo dia de desfiles. A Vila Isabel era considerada por muitos, tanto público quanto especialistas, uma das favoritas, juntamente com a Beija-Flor, Unidos da Tijuca de Paulo Barros e Salgueiro. No dia da apuração, porém, a Vila se sobressaiu sobre as demais escolas e conseguiu seu terceiro título no Grupo Especial, consagrando assim o melhor samba de 2013 composto por André Diniz, Arlindo Cruz, Martinho da Vila, Tunico e Leonel
A parceria de sucesso com a empresa BASF foi mantida para o carnaval de 2014, quando a agremiação falará novamente sobre o campo. . depois do título, a escola perdeu o intérprete Tinga e o casal de mestre-sala e porta bandeira Julinho e Ruth. além da carnavalesca Rosa Magalhães24 25 . trazendo Gilsinho, como novo cantor . o casal Marquinhos e Giovanna além do retorno do carnavalesco Cid Carvalho28 falando sobre os Biomas e Foclore brasileiro29 .
Ainda meses depois, mais uma baixa, dessa vez foi Mestre Paulinho que após dois anos, deixou o comando de bateria, que passa a ser comandada por Wallan . e na madrugada do dia 9 de dezembro, a escola escolheu seu samba para o carnaval de 2014, que mais uma vez deu a parceria de André Diniz, Evandro Bocão, Professor Wladimir, Arlindo Cruz e Artur das Ferragens. que derrotou outro samba, visto como favorito na escola, de: Tunico da Vila, Pedro Luís, Suzana Pires e Thales Nunes . Em novembro, o carnavalesco responsável por assinar o desfile de 2014 deixa a escola. A agremiação anunciou que uma comissão de carnaval com profissionais da casa irá tocar o carnaval de 2014. meses depois, Cid foi reintegrado novamente como carnavalesco da escola, após se desculpar e pedir para voltar.
Ainda em 2014, o então presidente Wilsinho Alves, desistiu de tentar uma reeleição, antes disso, quitou todas as dívidas da escola, algo em torno de 800 mil Reais. Elizabeth Aquino, foi eleita Presidente da Vila Isabel para o triênio 2015/2016/2017.
Em 2015, a Vila Isabel ficou na penúltima posição na classificação dos desfiles.
Em 8 de Maio de 2015, a Presidente Elizabeth Aquino, renunciou ao cargo, alegando incompatibilidade de pensamentos com membros de sua própria diretoria.

Titles of the School

YAER PLACE
1947 Winner
1948 Winner
1949 8th place
1950 9th place
1951 3rd place
1952 Winner
1953 7th place
1954 Winner
1955 11th place
1956 Winner
1957 Winner
1958 Winner
1959 5th place
1960 2nd place
1961 4th place
1962 8th place
1963 Winner
1964 Winner
1965 Winner
1966 4th place
1967 4th place
1968 8th place
1969 5th place
1970 2nd place
1971 2nd place
1972 2nd place
1973 6th place
1974 6th place
1975 2nd place
1976 6th place
1977 2nd place
1978 15th place
1979 Winner
1980 2nd place
1981 Winner
1982 7th place
1983 Winner
1984 5th place
1985 3rd place
1986 Winner
1987 5th place
1988 Winner
1989 4th place
1990 2nd place
1991 11th place
1992 12th place
1993 8th place
1994 9th place
1995 6th place
1996 7th place
1997 9th place
1998 12th place
1999 2nd place
2000 9th place
2001 13th place
2002 2nd place
2003 2nd place
2004 Winner
2005 10th place
2006 Winner
2007 6th place
2008 9th place
2009 4th place
2010 2nd place
2011 4th place
2012 2nd place
2013 Winner
2014 10th place
2015 11th place
2016