Mangueira - Samba School Song Português

Mangueira Samba School flag

Listen here to the samba song of the Rio Samba School Mangueira.
Just click on the music player on the side.


Mangueira Samba School

DETAILS

Established in: 28/04/1928

Flag Colours: Green and Pink

Honorary: Édio Laurindo da Silva (Delegado)

President: Ivo Meirelles

Address: Rua Visconde de Niteroi, 1.702 – Mangueira, Rio, RJ
CEP 20943-001
Phone: (21) 2567-4637

Reharsals: On Saturdays, from 22h

Head Quarter: Samba City (Quarter nº 13) - Rua Rivadávia Correa, nº 60 - Gamboa
CEP: 20.220-290
Phone: (21) 2567-4637

Web site: www.mangueira.com.br


Press:
Regina Lobato
reglobato@gmail.com / r2.juniocortez@gmail.com
Phone: (21) 7896-9500

Divulgation Co-president:
Daniel Mazola
comunicacao@mangueira.com.br
Phones:
(21) 9796-6841 / (21) 2558-0537


Mangueira 2016

2016 parading time

Parading Theme:
"MARIA BETHÂNIA – A MENINA DOS OLHOS DE OYÁ"

Carnival Designer (Carnavalescos):
Cid Carvalho

Carnival Manager: Jeferson Carlos

Harmony Managers: José Carlos Netto e Dimichel Velasco

Vocalists: Luizito, Zé Paulo Sierra e Ciganerey

Drummer`s Regent: Ailton

Drummer`s Queen: Gracyanne Barbosa

Flag Carring Couple:
Raphael Rodrigues & Marcella Alves

Vanguard Group:
Marcelo Chocolate


Mangueira Samba School Song

Manguiera is considered as Brazil's most popular samba school due to its old tradition, a very strong support community and the most successful samba hall.

Mangueira Samba School Rio Carnival

Samba School Mangueira was the winner of the first Samba Parade held in the Sambodromo and has been ranked very high year by year ever since, for its consistently strong performances. It is the oldest among the existing Rio samba schools.


Mangueira

Theme: "MARIA BETHÂNIA – A MENINA DOS OLHOS DE OYÁ"

Composers: Renan Brandão, Cadu, Alemão do Cavaco, Paulinho Bandolim, Deivid Domênico e Almy

Vocalist: José Luiz Couto Pereira da Silva (Luizito)

Oh, divina dama!

Em cada alvorada te agradeço

Quando me lembro dos meus tempos de criança

Sinto tanto orgulho deste chão

Cercado pelo verde da esperança

Vovó guiava minha imaginação

Descendo o morro entre becos e vielas

Vejo a primavera desabrochar

Um mar de rosas perfumando a passarela

Deixa a Mangueira passar

 

Ora yê yê… vem, menininha!

Entra na roda, quero ver você girar

Ê ê girar… baiana gira

A mãe do samba dança pro seu orixá

 

É tão bom ouvir as pastorinhas

Ao som de doces melodias

E as estrelas da nossa canção

Linda… na beleza tem poesia

A rainha veste a magia

Das flores em nossa estação

Brilha a porta estandarte

Revelando toda arte

Num bailar que não tem fim

Desperta, amor!

Pra ver a Neuma na Avenida

O povo aplaude dona Zica

Sagrado verde e rosa nessa história

Glória a essas divas tão guerreiras

a nossa maria não é brincadeira

É raça, é fibra, é jequitibá!

 

Eu vou cantar a vida inteira

Pra sempre Mangueira, tem que respeitar!

Eu vou cantar a vida inteira

Mulher brasileira em primeiro lugar

 

Samba Enredo


2016 Parading Theme

"MARIA BETHÂNIA – A MENINA DOS OLHOS DE OYÁ"

Sinopse

Baila no vento a mistura perfumada de mel, pitanga e dendê. 
O morro desce a ladeira guiado pela filha de Oyá.
Cavalga em búfalos de ouro e bronze sobre o raio de Iansã.
O abebé de Oxum faz luzir o caminho que leva à passarela, e por isso, minha gente não teme quebranto.
O alfanje erguido nos defende. 
O mal se esconde.
Arruda, alfazema e guiné abrem os caminhos.
As águas de cheiro perfumam o verde e o rosa. 
Os tambores de ketu derramam o axé no cortejo.
Cortejo de santo, xirê de orixá. 
Seu canto é o brado que saúda quem faz da Avenida o terreiro. 
Pra quem chega, agô e saravá!
O branco reluz. 
O opaxorô de Oxalufã firma nossos passos.
Nele, apoio seguro: “XEU ÈPA BÀBÁ!”

Corações ao alto. 
Valei-me meu Senhor do Bonfim.
Doces para os santos meninos.
Os balaios erguidos levam as flores.
Tal qual na Baixa do Sapateiro – quando o calendário marca o quarto dia de Dezembro – o “dengo” da baiana se embala no chacoalhar dos balangandãs.
Salve Santa Bárbara! No peito, a guia de contas e o Rosário de Maria.
A voz de Bethânia ecoa. 
Voz ancestral, ventre de águas claras onde repousa o Brasil menino.
Voz que é o Brasil matuto, caboclo e sertanejo.
Pátria indígena onde Tupã reina. 
Voz que é solo africano, caroço de dendê, água de moringa, búzio de enfeitar trança nagô.
Expressão do Brasil épico e dramático.
Colorido feito o cetim que adorna quem brinca o reisado.
Árido, como o barro seco.  
Grave como o voo sonoro do carcará, rapina do sertão, música inaugural, grito que se alastra desde o Opinião.

Mergulhada nas canções, Mangueira dá asas aos versos cantados, e, a partir deles, ergue a fantasia que é o pilar de seu carnaval. 
Prova do mel puro, doce e cristalino – néctar musical – da Abelha Rainha.
Desfolha o velho livro. 
Declama a poesia, seleciona poetas, oferece os mais belos versos. 
Dá vez ao gesto, faz da folia teatro.
Reconstrói o palco, solo sagrado onde a “bordadeira da canção” reina soberana.
O vento sopra a cortina de confetes e serpentinas, o Recôncavo deságua no Rio tal qual as águas que lavam os caminhos.
Ao longe, a imagem de Nossa Senhora da Purificação. 
As vozes da novena; o frescor carregado de axé das águas das quartinhas; os pés que fazem a poeira subir junto à pele de ouro marrom.
No cortejo – em louvor à filha de Santo Amaro - o “prato-e-faca” ditam o ritmo do samba de roda.
Dia de festa, folia e vadiação.
O puxador tira o verso. 
A flor de chita roça a pele mulata.
O cavaco embala a massa, o pandeiro convoca os bambas.
O palco, a velha Avenida - de tantas homenagens, de tantos carnavais.
Espetáculo que passa.
Alegria que desfila. 
Festa de Momo, mambembe.
Errante feito o circo que lhe encantou quando menina. 
Céu de lona que a folia ergue agora, palco circense que lhe dedicamos. 
Fina poesia onde o trapezista se equilibra.
Delírio de Morfeu. 
Ilusão de carnaval.
Sonho que finda nas cinzas, mas vive eterno, enquanto o verde e o rosa reinarem na colina.

P.S: Este enredo é uma “rosa sem espinhos” dedicada à Maria Bethânia. Voz que é o perfume do dendê. A joia encrustada na coroa do Rei. O coité, onde a canção é “macerada” tal qual folha bendita, e o sumo é a densa pasta verde que tinge a canção brasileira.

 


Mangueira`s history

Quando o samba ainda não tinha reconhecimento cultural e nem se pensava em escolas de samba, a comunidade da Mangueira já despontava como pioneira dos carnavais cariocas através dos seus cordões, onde um grupo de mascarados conduzidos por um mestre com um apito acompanhava uma orquestra de percussão. Na Mangueira existiam pelo menos dois cordões: o Guerreiros da Montanha e o Trunfos da Mangueira.
Menos primitivos que os cordões, surgiram os ranchos, que se destacaram por permitir a participação das mulheres nos cortejos carnavalescos e por trazerem inovações tais como: alegorias, uso do enredo, instrumentação de sopro e cordas e o casal de dançarinos baliza e porta-estandarte, hoje conhecidos como mestre-sala e porta-bandeira. Três ranchos se destacaram em Mangueira: Pingo de Amor, Pérola do Egito e Príncipes da Mata.
Por volta de 1920, surgiram os blocos com os elementos dos cordões e dos ranchos reunindo os "bambas" do batuque e que atuaram como células para mais tarde darem origem às escolas de samba. Somente na localidade conhecida como Buraco Quente havia os blocos da Tia Fé, da Tia Tomázia, do Mestre Candinho e o mais famoso de todos, o Bloco dos Arengueiros. Foi Cartola, que aos 19 anos, sentiu que era a hora de canalizar o dom natural dos malandros do bloco, a fim de mostrá-los de uma forma mais civilizada, com todo o potencial rítmico e coreográfico herdados do ancestral africano.
No dia 28 de abril de 1928, reunidos na Travessa Saião Lobato, nº 21, os arengueiros Zé Espinguela, "Seu" Euclides, Saturnino Gonçalves (pai de Dona Neuma), Massu, Cartola, Pedro Caim e Abelardo Bolinha fundaram o Bloco Estação Primeira. Este bloco esteve presente no primeiro concurso entre sambistas na casa de Zé Espinguela, em 1929, sendo um dos preMangueira (bairro do Rio de Janeiro) cursores das escolas de samba, junto com a Deixa Falar e a Portela.
Cartola, que mais tarde casou com Zica, foi o primeiro mestre de harmonia da agremiação e deu a palavra definitiva na escolha do nome e das cores: Estação Primeira, porque era a primeira estação de trem a partir da Estação Central do Brasil onde havia samba; verde e rosa como forma de homenagem a um rancho que existia em Laranjeiras, Os Arrepiados. Aos poucos todos os outros blocos do morro foram se agregando e nos anos 1930 e 40, com o surgimento da categoria carnavalesca, a Mangueira já figurava no rol das "grandes" escolas de samba da cidade.
Venceu os três primeiros concursos oficiais, foi vice-campeã em outros dois. Não desfilou em 1937, pois o desfile foi cancelado por ordem do delegado de polícia Dulcídio Gonçalves. Neste ano, o morro da Mangueira foi representado pela azul e rosa Unidos de Mangueira, que somente participou do desfile oficial por quatro anos.
Com o racha entre os sambistas no ano de 1949, a Mangueira, juntamente com a Portela, decide seguir com a UGESB, acusada de ser uma organização simpatizante do Comunismo, enquanto outras escolas, como o Império Serrano, decidiram seguir a liga paralela estimulada pelo governo municipal, a FBES. Foi neste ano que Jamelão assumiu o posto de cantor oficial na escola, ocupando o lugar de Xangô da Mangueira. Logo em seu primeiro desfile, no posto, a escola sagrou-se campeã.
Em 1950, a Mangueira seguiu para a UCES, onde foi novamente campeã, retornando à UGESB em 1951, até a reunificação das entidades no ano seguinte. Em 1980, obteve sua pior colocação até então, quando foi a oitava colocada.
Em 1984, ano de inauguração do Sambódromo, protagonizou um dos momentos mais marcantes da história do Carnaval Carioca. Após desfilar, a escola retornou pela Sapucaí, sendo aclamada pelo público. Naquele ano, o primeiro onde houve dois dias de desfile para as escolas de samba, a primeira divisão acabou sendo dividida em dois grupos, sendo cada um, um concurso diferente. Mangueira e Portela, duas das escolas mais tradicionais, venceram, um o desfile de domingo, e outra o de segunda-feira. Um novo concurso foi realizado no sábado seguinte ao Carnaval, entre as melhores escolas de cada dia de desfile, além das melhores do grupo de acesso também. Por fim, a Mangueira sagrou-se "supercampeã".
Após ser bicampeã em 1986/1987, e vice em 1988, a agremiação obteve algumas colocações ruins, como o 11º lugar em 1989, e o 12º lugar em 1991 e 1994. Apesar da má colocação, o samba enredo de 1994, de autoria de David Correa, Paulinho, Carlos Sena e Bira do Ponto, é considerado por parte da crítica como um dos mais empolgantes da década A composição, que possuía o refrão "me leva que eu vou, sonho meu, atrás da verde e rosa só não vai quem já morreu", falava dos chamados "doces bárbaros", Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa e Maria Bethânia.
Data também dessa época as primeiras parcerias de sucesso da escola com grandes empresas, e do início de grandiosos projetos, como da Vila Olímpica
Em 1995, sucedendo o conhecido presidente Álvaro Caetano, o Alvinho, assumiu a presidência da escola Elmo José dos Santos , que ocuparia o posto por dois mandatos. Sob sua presidência,a Mangueira conquistaria o título duas vezes.

Baiana da Mangueira, no desfile de 1998.
Em 1998, ao escolher Chico Buarque como tema de seu carnaval, a Mangueira escolheu em sua eliminatória interna um samba-enredo de uma parceria de compositores paulistanos, membros da escola de samba Morro da Casa Verde, o que gerou alguma polêmica devido à rivalidade entre cariocas e paulistas. Apesar da polêmica, a escola empatou com a Beija-Flor, voltando a conquistar um campeonato após um jejum que já durava onze anos. Logo após o carnaval, em 19 de abril de 1998, foi criada a Academia Mangueirense do Samba
Ainda a Mangueira voltaria a vencer o Carnaval novamente em 2002 com um enredo que falava sobre o Nordeste, perdendo no ano seguinte para a Beija-Flor. Nesse ano, 2003, a Mangueira trouxe como tema a história de Moisés e da libertação do povo hebreu, narrada no Antigo Testamento15 , trazendo um samba de autoria de Marcelo Dáguiã, Bizuca, Gilson Bernini e Clóvis Pê , que começava com o refrão "Quem plantar a paz, vai colher amor, um grito forte, de liberdade, na Estação Primeira ecoou", considerado muito bonito pela crítica . Gerou polêmica naquele ano o fato de a comissão de frente, coreografada por Carlinhos de Jesus, não obter a nota máxima, o que sempre vinha acontecendo nos anos anteriores.
Em 2006, a Mangueira escolheu sua nova diretoria, onde numa eleição disputada, Percival Pires derrotou Ivo Meirelles, sendo eleito o novo presidente da escola. Ivo, no entanto, mais adiante ficou com o cargo de presidente da bateria, cargo este que não costuma existir na maioria das escolas de samba, sendo quase uma exclusividade da verde e rosa.
Para 2007, a Mangueira mexeu com vários tabus: ao comemorar seus oitenta anos, pela primeira vez permitiu a presença de mulheres na bateria, ideia esta que partiu do próprio presidente da bateria, Ivo Meirelles, ideia esta que gerou polêmica. Além disso, Preta Gil veio como rainha de bateria da escola, quebrando uma tradição de ter rainhas somente vindas da própria comunidade, eleitas através de um concurso. Porém o fato que causou maior comoção, não só na escola, mas em todo o meio dos sambistas aquele ano, foram os problemas de saúde do intérprete Jamelão, que sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico e não gravou o samba-enredo da Mangueira para o CD oficial das escolas do carnaval de 2007 nem pôde desfilar com a escola. O então desconhecido cantor de apoio Luizito substituiu o Mestre Jamelão, impossibilitado de cantar, mas também sofreu problemas de saúde pouco tempo antes do desfile e quase foi vetado pelos médicos. Uma sequeência de fatos negativos começaram a recair sobre a entidade a partir de então.
No dia do desfile, Beth Carvalho foi impedida de desfilar e praticamente expulsa do carro alegórico dos baluartes, sendo agredida com um chapéu pelo baluarte Raymundo de Castro. O baluarte Nélson Sargento também preferiu não desfilar, já que possivelmente a roupa de sua mulher, não tinha sido entregue. Estes fatos geraram um certo mal-estar no meio do samba e muitas críticas às diretorias de escolas de samba da atualidade, principalmente à da própria Mangueira.
Ainda em 2007, seu presidente foi eleito para a Academia Mangueirense do Samba, ocupando a cadeira de tia Miúda, e que foi ocupada até dezembro de 2006 pelo compositor Jurandir da Mangueira .
Em 2008, a Mangueira passou por aquela que muitos consideram a sua pior crise. Primeiramente, ainda em 2007, quando todos esperavam um enredo sobre o centenário de Cartola, a diretoria fechou um acordo de patrocínio com a Prefeitura do Recife, ao qual a escola teria como enredo o centenário do frevo. Além de polêmicas relativas à escolha da rainha de bateria, por fim surgiram denúncias de envolvimento da diretoria da entidade com o tráfico do morro. Durante a escolha do samba-enredo, em outubro de 2007, a parceria escolhida foi a de Lequinho, Jr. Fionda, Francisco do Pagode, Silvão e Aníbal, sendo "Francisco do Pagode" o nome artístico de Francisco Paulo Testas Monteiro, o Tuchinha, que passou 17 anos preso por crimes relacionados ao tráfico de drogas. Na final da eliminatória interna, seu samba, mesmo considerado favorito, derrotou outros três fortes concorrentes, como Gilson Bernini e a parceria de Pedrinho do Cavaco e Índio da Mangueira As críticas ao fato de um criminoso estar na parceria vencedora foram duramente rebatidas por Lequinho, que encabeçava o samba campeão. Para o compositor, que elogiou seu parceiro de samba, as críticas seriam resultado de um comportamento preconceituoso da sociedade
As polêmicas não pararam por aí: em dezembro, Percival Pires renunciou à presidência, após aparecer num vídeo onde confraternizava com a mulher de Fernandinho Beira-Mar, presa dias depois Em seu lugar, assumiu Eli Gonçalves da Silva, a Chininha, neta de Saturnino Gonçalves, então vice-presidente. Com muitos problemas no dia do desfile, a Estação Primeira terminou na décima colocação, sendo um dos quatro piores resultados de sua história. O ex-presidente da agremiação, Elmo José dos Santos, lamentou profundamente os acontecimentos e o resultado final.
No dia 14 de junho de 2008, a escola perde um de seus maiores ícones: Jamelão, vítima de falência múltipla dos órgãos. Sua morte causou grande comoção no meio do samba. Para muitos, a perda do intérprete deixou uma lacuna enorme não só na escola, como também para todo o samba.
Para 2009, após oito anos, o carnavalesco Max Lopes deixou a escola, que contratou o Roberto Szaniecki para seu lugar. O enredo escolhido foi uma homenagem ao povo brasileiro, baseando-se no livro "O Povo Brasileiro, Formação e Sentido do Brasil", do professor, antropólogo e político Darcy Ribeiro. Novamente com muitos problemas no início de 2009, a preparação das fantasias e alegorias atrasou e até semanas antes do Carnaval, quase nada havia sido feito. Torcedores assumiram o barracão da agremiação, trabalhando em regime de mutirão, para colocar o carnaval na avenida. Por fim, a sexta colocação foi vista com um misto de surpresa e alívio, pois muitos chegaram a temer o rebaixamento.
Após o Carnaval de 2009, após nova eleição, Ivo Meirelles foi aclamado novo presidente, decidindo rever a estrutura dos últimos anos na escola. A primeira alteração foi a contratação da carnavalesca Márcia Lage. Também foi contratado novo casal de Mestre Sala e Porta Bandeira: Raphael e Marcella Alves. Além disso, para o posto de intérpretes, foi criado um trio apelidado de "os três tenores", formado por Luizito, Zé Paulo e Rixxah. além da bela Renata Santos, que deu um show de sensualidade a frente da bateria comandada pelo Mestre Jaguará Filho. O enredo escolhido foi Mangueira é a Música do Brasil, muito parecido com o tema de 2008 do Império de Casa Verde. No decorrer do ano, a carnavalesca foi afastada e substituída por Jaime Cezário e Jorge Caribé, o que resultou novamente numa sexta colocação.
Em 2011, a Mangueira levou para a avenida o enredo "Filho fiel, sempre Mangueira" de autoria da própria escola, que foi desenvolvido Por Mauro Quintaes e Wagner Gonçalves. além disso continua com os três tenores, agora formado Luizito, Zé Paulo e Ciganerey que entra no lugar de Rixxah, sendo que devido a briga com um suposto torcedor do Fluminense durante a comemoração do título brasileiro na quadra, Luizito acabou suspenso e logo depois iria se desligar da escola, mas após conversa com Ivo Meirelles, voltou atrás e retornou ao trio . Também houve uma mudança no comando da bateria. Aílton Nunes um dos autores do samba-enredo campeão daquele ano, passou a ser o mestre.
No ano 2012, a Mangueira apresentou na avenida o enredo "Vou festejar, sou Cacique,Sou Mangueira", uma homenagem ao bloco Cacique de Ramos, que completou 50 anos em 2011. O enredo foi desenvolvido pelo carnavalesco Cid Carvalho, sendo este contratado pela escola ainda em 2011. O samba enredo escolhido é da parceira de Igor Leal, Lequinho, Junior Fionda e Paulinho Carvalho. Embora tenha ficado em sétimo lugar, a mídia e o público em geral consideraram que a escola realizou um desfile histórico, inovando a chamada "paradinha" da bateria, para um tempo superior a 2 minutos. A "paradinha repercutiu e muito, e se tornou uma "paradona", que realmente alegrou e conquistou o público. A Cada ano, a bateria Surdo Um inova mais a mais, mas não foi apenas a bateria que conquistou o público. A cantora Alcione se marcou presente no carro de pagode dentre a bateria, e Beth Carvalho veio abrilhantando a comissão de frente como a madrinha dos orixás.
Acreditou-se que todas as paradinhas foram planejadas. Mas isso não aconteceu. A primeira paradinha foi a única não planejada. Ela aconteceu devido a um defeito na aparelhagem que fez com que a bateria por alguns segundos, não pudesse ser ouvida. Mas depois, o desfile seguiu normalmente. Acredita-se que plasticamente o desfile de 2012 foi superior ao apresentado em 2011, que deu a Mangueira o terceiro lugar, sua melhor posição dos últimos anos.
Em 2013, após uma eleição conturbada e ainda sem definição, o candidato a reeleição e ainda presidente Ivo Meirelles definiu que o enredo da escola será a cidade de Cuiabá no Mato Grosso, e que este será desenvolvido pelo carnavalesco Cid Carvalho assim como no ano anterior. Apos a grande parada da bateria em 2012, a Mangueira promete uma nova inovação, levará duas baterias para a avenida em 2013, e segundo o presidente da agremiação, Ivo Meirelles, as duas baterias já irão se apresentar juntas no ensaio técnico da escola , além disso a escola levará também dois carros de som, o primeiro sendo comandado por Luizito, Zé Paulo e Ciganerey e o segundo por Agnaldo Amaral. Neste ano, a escola apresentou um bom desfile, carros e fantasias muito bem acabados, como há muito tempo não se via na Mangueira, apesar do atraso de dois minutos causado por um erro no último carro alegórico, que trazia uma borboleta gigante que a princípio, daria uma volta na torre onde ficam os jornalistas, localizada quase no final da avenida, mas um problema na manipulação das barras que sustentavam a borboleta, fez com que ela se chocasse com a torre, o problema só foi resolvido depois, com a ajuda dos próprios jornalistas, que empurraram as barras para que o carro pudesse continuar o trajeto na avenida, com esse problema, a Mangueira perdeu dois décimos, um por minuto, uma das principais causas da escola não ter ficado entre as campeãs. Veio também com uma comissão de frente emocionante, que trazia índias, bandeirantes e o mestre Delegado, bailando entre as encenações sobre a história de Cuiabá.
Em seu aniversário de 85 anos - 28 de abril de 2013 - a escola passou pelo processo eleitoral que vinha adiado desde 2012 para eleição seu novo presidente, já que Ivo Meirelles não foi candidato á reeleição. Nessa eleição foi eleito o Deputado Chiquinho da Mangueira,32 que ficará a frente da escola de até 2016. Além da mudança na presidência, para o carnaval de 2014 a Mangueira mudou também a composição do casal de mestre-sala e porta bandeira e o carnavalesco, já Marcella Alves foi para o Salgueiro e Cid Carvalho se dirigiu para a Unidos de Vila Isabel respectivamente; para substituir Cid foi contratada a veterana carnavalesca Rosa Magalhães, então campeã do carnaval e para a composição do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Raphael que antes teria saído da escola, está mantido no cargo e agora fará par com Squel, Luizito foi mantido como interprete oficial, contando com Eraldo Caê que retorna a agremiação como interprete de apoio; chegou a ser especulado também o nome do consagrado interprete Preto Jóia, que entretanto acabou não acertando com a agremiação.
O enredo escolhido para carnaval foi "A festança brasileira cai no samba da Mangueira" de autoria da carnavalesca e da própria escola. A Mangueira foi quarta escola a desfilar no domingo de carnaval e apresentou um desfile leve, colorido e com uma qualidade plastica que a muito não ser via na escola, entretanto com erros que custaram lhe pontos consideráveis na apuração, dentre eles, o acidente com o quinto carro da escola, O ritual da Pajelança, alusivo ao Festival de Parintins, que devido à sua altura acabou preso na torre de televisão e teve parte de uma escultura quebrada para poder prosseguir para a dispersão; a escola, ao contrario do ano anterior que contou com um infortúnio parecido, conseguiu passar dentro do tempo previsto no regulamento (82 minutos), mas a colocação foi a mesma.
Para 2015 a escola acertou o retorno do carnavalesco Cid Carvalho, que desenvolveu o enredo "Agora chegou a vez, vou cantar: Mulher de Mangueira, Mulher brasileira em primeiro lugar!", uma homenagem às mulheres brasileiras e as baluartes da escola. O desfile, que ocorreu sob chuva, foi considerado abaixo do esperado pela crítica especializada e na apuração, os problemas enfrentados em fantasias, alegorias, comissão de frente, bateria e evolução deram origem a um 10º lugar, a exemplo de 2008 quando enfrentou situação parecida.
Após um 10º lugar em 2015, a direção da escola realizou novas mudanças em seu quadro. O carnavalesco Cid Carvalho, mais uma vez saiu da escola de maneira polêmica, sendo desta vez substituído por Leandro Vieira, estreante no Grupo Especial como carnavalesco, vindo da Caprichosos de Pilares na Série A. Com a saída de Carlinhos de Jesus, a comissão de frente passa a ser comandada por Júnior Scapin, também vindo da Série A.

Titles of the School

YAER PLACE
1932 Winner
1933 Winner
1934 Winner
1935 2nd place
1936 2nd place
1937 ----------------
1938 ----------------
1939 2nd place
1940 Winner
1941 2nd place
1942 3rd place
1943 2nd place
1944 2nd place
1945 2nd place
1946 2nd place
1947 2nd place
1948 4th place
1949 Winner
1950 Winner
1951 3rd place
1952 ----------------
1953 3rd place
1954 Winner
1955 2nd place
1956 3rd place
1957 3rd place
1958 3rd place
1959 3rd place
1960 Winner
1961 Winner
1962 4th place
1963 2nd place
1964 3rd place
1965 4th place
1966 2nd place
1967 Winner
1968 Winner
1969 2nd place
1970 3rd place
1971 4th place
1972 2nd place
1973 Winner
1974 4th place
1975 2nd place
1976 2nd place
1977 7th place
1978 2nd place
1979 4th place
1980 8th place
1981 4th place
1982 4th place
1983 5th place
1984 Winner
1985 9th place
1986 Winner
1987 Winner
1988 2nd place
1989 11th place
1990 8° lugar
1991 12th place
1992 6th place
1993 5th place
1994 11th place
1995 6th place
1996 4th place
1997 3rd place
1998 Winner
1999 7th place
2000 7th place
2001 3rd place
2002 Winner
2003 2nd place
2004 3rd place
2005 6th place
2006 4th place
2007 3th place
2008 10th place
2009 6th place
2010 6th place
2011 3rd place
2012 7th place
2013 8th place
2014 8th place
2015 10th place
2016