Unidos de Padre Miguel - Escola de Samba - Samba Enredo English

Unidos de Padre Miguel  Samba School flag

Ouça aqui o Samba Enredo da Unidos de Padre Miguel apenas clicando no botão do player ao lado.

 

GRES Unidos de

Padre Miguel

FICHA TÉCNICA

Fundação: 12/12/1957

Cores: Vermelho e Branco

Presidente de Honra: Lenilson Leal

Presidente: Lenilson Leal

Quadra: Rua Mesquita, 8 - Padre Miguel Telefone:


Ensaios: Rua general Gomes de Castro – Padre Miguell

Barracão:

Imprensa:


Unidos de

Padre Miguel 2018

Enredo:
"O quinto dos infernos"

Carnavalescos:
Edson Pereira

Diretor de Carnaval: Cicero Costa

Intérprete: Marquinho Art Samba

Mestres de Bateria: Mestre Dinho

Rainha de Bateria: Ana Paula

Mestre-Sala: Vinicius

Porta-Bandeira: Jéssica

Comissão de Frente:
David Lima

Desfile de 2018

Posição de desfile: Sexta escola a desfilar no dia 06/02/2018


 

 


Unidos de

Padre Miguel

Samba Enredo: ""

Autores:
Intérprete:

Samba Enredo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Enredo de 2018

""

Introdução

Sinopse

Justificativa

Carnavalesco: Edson Pereira

 

 


 

A História da Unidos de Padre Miguel

O início da escola foi esfuziante, pois logo em seu primeiro desfile na Praça Onze em 1959 sagrou-se campeã e adquiriu o direito de se apresentar entre as grandes em 1960. Entretanto, a má colocação que obteve, a fez retornar às categorias inferiores. A escola voltou a desfilar entre as grandes em 1964, 1971 e 1972.
Após o incremento financeiro de Castor de Andrade à Mocidade Independente de Padre Miguel, a escola se distanciou dos principais grupos cariocas, chegando, inclusive, a não desfilar em alguns anos.
Paradoxalmente, nos anos 2000, após uma fase de estagnação da coirmã de Padre Miguel, a Unidos trilhou um caminho de sucesso. Com dois campeonatos seguidos, em 2005 no Grupo D e em 2006 no Grupo C, saiu do último grupo do carnaval carioca até o retorno ao desfile no sambódromo em 2006, pelo Grupo B.
Em 2007, a Unidos de Padre Miguel voltava a Marquês de Sapucaí depois de mais de duas décadas. A escola contou o seu cinquentenário a começar pela comissão de frente de guerreiros prateados em defesa da fé. Um dos pontos altos do desfile foi o segundo carro, com televisões, mesas de bate-papo e varais de roupa, em um visual que formava um barraco, preenchido pela comunidade da Vila Vintém. As baianas da escola vieram douradas em comemoração à boda de ouro. Quadrilha de festa junina, natal, páscoa, pipas foram lembrados como rituais em alas irreverentes. O público se animou com a escola, que passou acelerada e teve de se arrastar no final para não terminar o desfile com menos de 40 minutos. A escola conseguiu a sexta colocação no grupo B.
Em 2008, a mídia dava como certa a ascensão da escola para o Grupo de acesso A, porta de entrada para o Grupo Especial, mas, inexplicavelmente, a escola obteve apenas a terceira colocação, adiando assim o seu retorno ao Grupo A. A Unidos de Padre Miguel não passou de um terceiro lugar, mas o desfile foi impecável. Desde a comissão de frente até o último carro, a escola mostrou alegorias luxuosas, para contar a importância das águas, seja dos mares, dos rios ou dos oceanos, por meio da história de Olokum, Deus das Águas.
Em 2009, a Unidos de Padre Miguel apresentou alegorias e fantasias altamente luxuosas para contar o enredo sobre o vinho, denominado Vinho, néctar dos deuses - A celebração da vida, conquistou o Grupo Rio de Janeiro 1, empatada com a Acadêmicos do Cubango, ascendendo ao Grupo A, porta de entrada para o Grupo Especial. A escola mergulhou na Mitologia, do deus Dionísio, para mostrar que o vinho foi amadurecido em Roma, apadrinhado pela Igreja Cristã, na Idade Média, desprezado pelo Islamismo e fortalecido no Renascimento, até ser relacionado com a celebração da vida, estando presente em todas as cerimônias e festas comemorativas. A bebida embarcou em naus, na época das Grandes Navegações, chegando ao Mundo Novo. No Brasil, criou-se com os imigrantes italianos, no sul do país, sendo homenageado na Festa da Uva, realizada em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul.
Em 2010, a escola sentiu o peso de abrir o desfile com as arquibancadas vazias. Com problemas na comissão de frente, que representava a estrela cadente, cujas fantasias atrasaram e obrigaram os componentes a se vestir na avenida, a escola contou a história do aço através de uma grande bola de fogo, que chocada com a crosta terrestre, deu origem ao minério de ferro, matéria-prima do metal. O abre-alas causou impacto pelas cores e luzes e representou a explosão de meteoritos, cuja principal escultura era a de um pássaro de fogo. A escola mostrou as grandes civilizações que usavam o ferro principalmente para fabricação de armamento, como os romanos, fenícios e celtas. O segundo carro representou a evolução do aço na era medieval. Em outra alegoria, uma grande locomotiva antecedeu os altos-fornos, que tornaram possível a construção das siderúrgicas. Um Robocop de cinco metros estava à frente da quarta alegoria, que retratou o aço presente no nosso dia a dia, nas mais diversas situações - cozinhas industriais, hospitais, laboratórios, empresas e indústrias em geral. O último carro trouxe São Jorge, que no sincretismo religioso é Ogum, o Orixá do ferro, da guerra. A bateria veio fantasiada de alquimista. Apesar de apresentar fantasias e alegorias bem acabadas, os efeitos de luz e fumaça planejados pela escola acabaram sendo prejudicados pelo sol. Na apuração, a escola terminou em 11ºlugar sendo rebaixada junto com a Paraíso do Tuiuti para o Grupo de Acesso B.
No ano de 2011, a escola cantou Tia Ciata. A comissão de frente representou a África. O abre-alas trouxe o Palácio Dourado de Oxum, o orixá da homenageada. O segundo carro lembrou a Bahia, terra onde viveu e cresceu Tia Ciata, destacando-se a lavagem do Bonfim, Bumba meu Boi, Festa do Divino e Folia de Reis. O Rio de Janeiro foi reverenciado no setor seguinte, que recordou blocos, ranchos, corsos e escolas de samba. Uma alegoria trouxe um fusca imitando uma antiga viatura da Polícia Militar ilustrando a perseguição sofrida pelos sambistas no começo do século XX. O enredo Hilária Batista de Almeida foi projetado pelos carnavalescos Edward Moraes e Fábio Santos, sendo que Edward saiu da escola, após não concordar com o samba vencedor.
Em 2012, apostou num enredo sobre a arte. No ano seguinte, com a promoção das escolas do Grupo B para a segunda divisão, a escola passou a fazer parte da Série A, apresentando o orixá Xangô como tema de seu desfile.

Em 2014 a Unidos de Padre Miguel foi considerada uma surpresa, com seu desfile sendo considerado "impactante", e obtendo o terceiro lugar.

Os Títulos da Escola

ANO COLOCAÇÃO
1978 5º lugar
1979 9º lugar
1980 6º lugar
1981 3º lugar
1982 7º lugar
1983 Vice-Cmpaã
1984 Campeã
1985 10° lugar
1986 8° lugar
1987 10° lugar
1988 11° lugar
1989 10° lugar
1990 Não desfilou
1991 5° lugar
1992 6° lugar
1993 7° lugar
1994 7° lugar
1995 Vice-Campeã
1996 11° lugar
1997 8° lugar
1998 7° lugar
1999 4° lugar
2000 5° lugar
2001 12° lugar
2002 12° lugar
2003 6° lugar
2004 Vice-Campeã
2005 Campeã
2006 Campeã
2007 6° lugar
2008 3° lugar
2009 Campeã
2010 11° lugar
2011 3° lugar
2012 3° lugar
2013 7° lugar
2014 3° lugar
2015 Vice-Campeã
2018