Caprichosos de Pilares - Escola de Samba - Samba Enredo English

Caprichosos de Pilares Samba School flag

Ouça aqui o Samba Enredo da Caprichosos de Pilares apenas clicando no botão do player ao lado.

 

GRES Caprichosos de Pilares

FICHA TÉCNICA

Fundação: 19/02/1949

Cores: Azul e Branco

Presidente de Honra: Cesar Tadeu

Presidente: Gilberto Nilo da Silva (Belo)

Quadra: Rua Faleiro, 1 – PilaresRJ
Telefone: (21) 2592-5610 / (21) 25807942

Ensaios: Rua Faleiro, 1 – Pilares


Barracão: Rua Almirante Mariath - 4 Cajú RJ

Imprensa:


Caprichosos de Pilares 2018

Enredo: "Tem gringo no samba"

Carnavalesco: Amauri Santos

Diretor de Carnaval: Jeferson Carlos

Intérprete: Thiago Brito

Mestres de Bateria: Mestre Alexandre

Rainha de Bateria: Milena Nogueira

Mestre-Sala: Paulo Roberto

Porta-Bandeira: Raessa Alves

Comissão de Frente: Hélio Bejani

Desfile de 2018

Posição de desfile: Quinta escola a desfilar no dia 06/02/2



 

 


Caprichosos de

Pilares

Samba Enredo: ""

Autores:
Intérprete: Thiago Brito

Samba Enredo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Enredo de 2018

""

Carnavalesco: Amauri Santos

 


 

A História da Caprichosos de Pilares

A historiografia do Carnaval aponta a Caprichosos como uma espécie de dissidência de outra antiga agremiação de Pilares, a Unidos de Terra Nova, escola que em 1947 obteve o 21º lugar entre 26 escolas, não desfilando no ano seguinte. Um grupo de sambistas de Pilares resolveu criar então uma nova entidade. Suas cores iniciais eram vermelho e branco, depois as suas cores mudaram para azul e branco em homenagem a madrinha Portela
Não se sabe a que comunidade o nome "Terra Nova" faria referência, porém segundo Nelson da Nóbrega Fernandes, foi citado o nome de uma tal "Voz da Terra Nova" em uma apresentação de representantes de 61 escolas de samba ao ainda prefeito Hildebrando de Góis, todas supostamente filiadas à FBES, muito embora o autor admita que muitas delas eram escolas fantasmas criadas apenas para parecer dar mais peso à entidade representativa.
Em 1950, Caprichosos e Unidos da Terra Nova desfilaram pela UGESB, tendo a Caprichosos ficado na 14ª colocação, e a Terra Nova em 18º lugar, entre 20 escolas.
Desde sua fundação, em 1949, a Caprichosos de Pilares já conquistou quatro títulos de campeão do carnaval em grupos de acessos: em 1960 com o enredo Invasão Holandesa na Bahia,em 1971 com o tema Brasil na Primavera,em 1982 com o enredo Moça bonita não paga….O famoso carnaval da feira livre, indo ao grupo principal do carnaval carioca em 1983 conquistando enfim o status de grande escola de samba.
Por volta de 1974, Amaury Jório, presidente da AESCRJ, pediu ao administrador regional, que na época era o Oswaldo de Moura Brito Piragibe (Dr. Piragibe), que concedesse um espaço para a construção da quadra. O administrador se envolveu de tal forma com o projeto, que não só colaborou com a obra da quadra, mas também entrou para a história da escola, conseguindo a cessão pela Prefeitura do terreno que era um espaço de urbanização do viaduto Cristóvão Colombo (viaduto de Pilares).
Em 1985 a escola de Pilares consolidou seu estilo de carnaval irreverente, com uma mistura de política e humor no enredo E por falar em saudade…. A Caprichosos fez grandes carnavais. Marcados por seus sambas empolgantes e irreverentes, que sempre estiveram na ponta da língua do povão. Por isso, seus maiores títulos foram dados pelo grande público, como por exemplo, o Estandarte de Ouro em 1985.
Em 1993, com o enredo Não Existe Pecado do Lado de Cá do Túnel Rebouças, que fazia uma homenagem ao morador suburbano, a Caprichosos ficou em penúltimo lugar, só não sendo rebaixada (junto com a Unidos da Ponte) porque o presidente da Liesa, Paulo de Almeida, decidiu que não haveria rebaixamento.1
Em meados da década de 1990, mais precisamente em 1995, a Caprichosos de Pilares abandona o estilo irreverente e apresenta na avenida um carnaval mais caro e luxuoso. O então carnavalesco Mauro Quintaes, discípulo de Joãosinho Trinta, desenvolveu o enredo com mais tecnologia do que a escola estava acostumada. Naquele ano, a Caprichosos botou o seu samba na boca do povo também: Vou me acabar nessa magia, e a Caprichosos traz a energia. Especula-se que essa mudança se deu devido à falta de bons resultados em termos de notas e classificações a que os desfiles irreverentes haviam conseguindo. Em 1996, com um enredo sobre o chocolate, a escola acabou rebaixada para o Grupo de Acesso. Por muito pouco não ficou, pois empatou com a Unidos da Tijuca que acabou levando a melhor no desempate. No ano seguinte, a Caprichosos foi vice-campeã do acesso e subiu novamente para o grupo especial, onde permaneceu até o carnaval de 2006.
A Caprichosos ainda chegou a desenvolver um enredo crítico em 2000, sobre a ditadura militar, e em 2004 homenageou Xuxa Meneghel, que participou da escola do samba enredo, na final da disputa interna, e desfilou no último carro alegórico. Ainda naquele ano, a escola perderia seu intérprete Jackson Martins, assassinado, em 08 de agosto.
Em 2005, com a volta da bom humor, fez uma homenagem aos vinte anos da LIESA.
Em 2006, a escola apresentou o enredo O Espírito Santo Caprichou, fazendo uma homenagem ao estado capixaba, naquele mesmo ano a LIESA mudou o regulamento e em vez de uma,duas escolas seriam rebaixadas,a escola terminou em décimo terceiro lugar,sendo rebaixada com a Acadêmicos da Rocinha que ficou em último lugar.
Em 2007, a escola desfilou no Grupo de acesso A e conquistou o vice-campeonato falando sobre o gás e o biodiesel,como a partir daquele ano apenas uma escola subiria ao Grupo Especial a que eventuamente seria a campeã do Acesso, a Caprichosos não retornou a elite do carnaval carioca. No dia 11 de outubro de 2007, a Caprichosos perdeu seu fundador, diretor de carnaval e vice-presidente administrativo, Athayde Pereira, que faleceu devido a um infarto fulminante.
No ano seguinte, falando sobre o município de Itaboraí e com samba e enredos considerados belos, mas pecando nas alegorias com geradores mal decorados e ferro à mostra, a Caprichosos termina na 6° colocação.1
Em 2009, com o enredo No transporte da alegria…Me leva Caprichosos a caminho da folia, a Caprichosos fica em último lugar entre as escolas, mas se salva do iminente rebaixamento, porque a LESGA decidiu que ninguém cairia devido à crise mundial, que teria atrapalhado a preparação das agremiações.
Mas, especula-se que a "salvação" teria ocorrido porque o presidente da Inocentes de Belford Roxo escola que também seria rebaixada o Grupo B era o então presidente da LESGA.
Em 2010, mesmo sem muitos recursos, reeditou "E por falar em saudade", um desfile simples mas contagiante e animado, solto e livre, onde a escola saiu aclamada por todas as arquibancandas, mas somente obteve a 7ª colocação. No mesmo ano, faleceu o português Ratinho, um dos maiores compositores da história da agremiação.
Em 2011 a escola trouxe o enredo "Gente Humilde", falando sobre as dificuldades do morador do Subúrbio carioca. A escola desfilou já pela manhã um desfile simples e humilde, mas mesmo assim com muita garra. No começo da apuração, a agremiação perdeu 0,5 ponto por apresentar um ``elemento estranho`` na comissão de frente, um tripé. Terminou na 10º colocação, descendo para o Grupo de Acesso B. Algumas semanas depois de ser rebaixada, houve eleição para presidente, pleito do qual saiu vitorioso o empresário Cézar Thadeu Vinheiros.
Em 2012, a Caprichosos apresentou-se pelo Grupo de Acesso B com o enredo "A Caprichosos faz o seu papel… levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima!", do carnavalesco Amauri Santos. A escola fez um desfile muito competente, com fantasias e alegorias coerentes e muito bem acabadas. A comunidade cantou forte e brincou bastante na avenida. O casal de mestre-sala e porta-bandeira, Diego Falcão e Jaqueline Gomes, ventindo uma bela fantasia em tons de azul e prata, fez a mais bela apresentação da noite. Esse desfile marcou a volta de Clóvis Pê como intérprete, e trouxe uma nova rainha de bateria, Bianca Salgueiro, que foi rainha do carnaval carioca em 2011. Tendo computado 300 pontos na apuração ocorrida em 22/02, a agremiação sagrou-se campeã e voltando a desfilar pelo Grupo de Acesso A em 2013.
Para o desfile de 2013, por coincidir com a Mocidade Alegre, onde é o cantor oficial, Clóvis Pê se afasta do microfone oficial, mas não da escola. pra isso, nomeiou dois intérpretes oficiais: Sandro Motta e Lico Monteiro . que no entanto se juntam a Celino Dias e Pepê Niterói. formando um quarteto de intérpretes da escola. sendo que Pepê, devido a diversas faltas, foi demitido9 . ficando com um trio de intérpretes.
Para 2014, a escola continuou com Amauri santos, sendo seu carnavalesco, houve mudanças na direção de carnaval-harmonia e Thiago Brito, retorna como intérprete da escola. seu samba foi escolhido em 21 de Setembro de 2013, onde sagrou-se vencedor a parceria de Jorginho Moreira, Frank, Rafael Gigante, Victor Rangel, Max Colonna e Edinho de Pilares, derrotando na final, as parcerias de Sylvinho, Dudu Mendes, Tuil Pontes, Geraldo Filho e Cláudio Bacana; Noquinha, JB, Noca da Portela, Anderson Maia, Nelsinho e Diogão Pereira e Aurélio Proença, Paulo Aparício, Mauro Speranza, Naldo da Carne de Sol, Mauro do Gato e Márcio do Swing .num enredo sobre a Lapa, terminou na 9º colocação.
Após o carnaval, se teve um pleito onde se elegeu o então vice do ex-presidente Gilberto Nilo, sendo que o anterior presidente, passa a ocupar a presidência de honra.
Em 2015 a escola apresentou o enredo "Na minha mão é mais barato, do carnavalesco estreante Leandro Vieira. Com a volta da tradicional irreverência, a agremiação empolgou o público e fez a sua melhor apresentação da década segundo a crítica especializada terminando o o desfile na sétima colocação.

Os Títulos da Escola

ANO COLOCAÇÃO
1950 14° lugar
1951 17° lugar
1952 7° lugar
1953 7° lugar
1954 Vice-Campeã
1955 10° lugar
1956 14° lugar
1957 8° lugar
1958 15° lugar
1959 10° lugar
1960 Campeã
1961 9° lugar
1962 4° lugar
1963 9° lugar
1964 10° lugar
1965 11° lugar
1966 12° lugar
1967 11° lugar
1968 13° lugar
1969 8° lugar
1970 11° lugar
1971 Campeã
1972 11° lugar
1973 13° lugar
1974 4° lugar
1975 10° lugar
1976 13° lugar
1977 3° lugar
1978 6° lugar
1979 6° lugar
1980 5° lugar
1981 12° lugar
1982 Campeã
1983 ----------------
1984 6° lugar
1985 9° lugar
1986 9° lugar
1987 8° lugar
1988 8° lugar
1989 12° lugar
1990 13° lugar
1991 10° lugar
1992 11° lugar
1993 13° lugar
1994 10° lugar
1995 10° lugar
1996 15° lugar
1997 Vice-Campeã
1998 10° lugar
1999 9° lugar
2000 11° lugar
2001 12° lugar
2002 12° lugar
2003 10° lugar
2004 13° lugar
2005 11° lugar
2006 13° lugar
2007 Vice-Campeã
2008 6° lugar
2009 10° lugar
2010 7° lugar
2011 10° lugar
2012 Campeã
2013 6° lugar
2014 9° lugar
2015 7° lugar
2018